Estudos Bíblicos

A IGREJA APOSTÓLICA

1. O CRESCIMENTO DA IGREJA

Atos 5 : 14 E a multidão dos que criam no Senhor, tanto homens como mulheres, crescia cada vez mais.

Atos 6 : 7 E crescia a palavra de Deus, e em Jerusalém se multiplicava muito o número dos discípulos, e grande parte dos sacerdotes obedecia à fé.

A arma usada pela igreja, através da qual a igreja crescia demasiadamente, era o testemunho de seus membros. Enquanto aumentava o número de membros aumenta o número de testemunhas, pois cada membro era um mensageiro de Cristo.

Os motivos desse crescimento foram :

- Perseveravam na doutrina dos apóstolos

- Perseveravam na comunhão e partir do pão

- Perseveravam na oração

- Possuíam temor

- Muitos sinais e maravilhas se faziam

- Muita alegria e sinceridade

Atos 2 : 41 - 47

A Igreja Pentecostal era uma igreja poderosa na fé e no testemunho, pura em seu caráter, e abundante no amor. Entretanto, o seu defeito era a falta de zelo missionário. Foi necessário o surgimento de severa perseguição, para que se decidisse a ir a outras regiões.

2 A EXPANSÃO DA IGREJA

Atos 8 : 4 Mas os que andavam dispersos iam por toda a parte, anunciando a palavra.

Na perseguição iniciada com a morte de Estevão, a igreja em Jerusalém dispersou-se por toda a terra. Alguns chegaram até Damasco e outros até a Antioquia. Por qual motivo sobreveio então as perseguições ?

Marcos 16 : 15 E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura.

A partir desta perseguição, os cristãos fugiam, porém pregavam o evangelho e testemunhavam das maravilhas que Jesus operava.

Devido à natureza fragmentária dos dados, é possível darmos peso demais às viagens  missionárias de Paulo e da expansão que as acompanhou (Ásia Menor, Grécia, etc.). Não temos, por exemplo, conhecimento de como ou por quem o evangelho chegou a   Alexandria ou a Roma. Também vemos uma congregação em Damasco antes da conversão de Paulo (At:9:1-19), que certo historiador batista, sugere ter surgido a partir  de contatos com os discípulos na Galiléia. Alguns pensam que a missão paulina tenha   desabado logo após da sua morte.

Os primeiros agentes da expansão missionária provavelmente foram os convertidos do dia de Pentecostes (At:2:9-11) que levaram o evangelho consigo quando voltaram para  casa. AS regiões alistadas no texto já indicam a larga gama de países do mundo de então.

Uma segunda leva de "missionários" foram aqueles que foram espalhados por toda parte na perseguição que seguiu o martírio de Estevão At:8:4. Estes foram pregando na   Fenícia, no Chipre e na Antioquia, mas sempre aos helenistas. Um dos convertidos de Chipre e de Cirene (Líbia) pregaram aos helenos (gregos) em Antioquia. Como resultado da evangelização do eunuco por Filipe surgiu a Igreja na Etiópia: At:8:26-39.

Parece ser evidente que Paulo não foi o único missionário trabalhando fora da palestina. Além das viagens de Barnabé e Marcos (At:15:39), há referência a outros em  Rm:15:19-20. No período apostólico de expansão do evangelho, o NT relata a presença de crentes nos  seguintes lugares sem nos indicar quem o levou ou como ouviram: Roma, Bitínia, Mísia, Pontus, Capadócia (1aPe1:1), Tiro, Sidom, Puteoli (perto de Nápoles). Tudo isso parte  da obra missionária paulina.

Expansão no Império Romano Leste

Nos dados fragmentários que temos podem ser observado algumas regiões. Na Fenícia a   fé cedo parece ter sido mais forte do que na própria Palestina. Entretanto é provável que  aqui, como em quase todo o império, o cristianismo era um fenômeno urbano, desenvolvendo-se especialmente nas cidades costeiras. Tiro possuía uma igreja muito  forte.

Na Síria se desenvolveu duas comunidades cristãs: a de fala grega que teve seu início em  Antioquia e que se expandiu nas comerciais às cidades de fala grega na Síria. Embora a  igreja de Antioquia possa ter sido bilíngüe desde cedo, a comunidade de fala siríaca teve  seu núcleo principal ao leste na cidade de Edessa. Foi de aqui que expandiu o  cristianismo siríaco. A força da igreja na Síria pode ser constatada pela presença de 20 bispos seus no Concílio de Nicéia em 325.

Na Ásia Menor, foi área de trabalho de pelo menos dois apóstolos, Paulo e João, o cristianismo tinha sido adotado mais largamente do que qualquer outra região grande do Império até o fim do III século. Seu crescimento maior parece ter sido nas cidades onde a cultura local estava desintegrando-se diante do impacto da cultura que chegava a  greco-romana. Nas cidades helênicas era menor e nas cidades onde a educação helenista  era desconhecida era quase inexistente.. A carta de Plínio ao imperador Trajano na  segunda década do II século atesta a larga expansão do cristianismo nas cidades e até no   quadro rural de Bitinia.

Expansão no Império Romano Africano

Quanto ao Egito a tradição faz de Marcos o missionário que lá plantou o evangelho.

Sabemos que Apolo era de Alexandria, mas não sabemos se converteu-se lá ou se voltou   para lá após sua conversão. Até o fim do segundo século a igreja já estava forte. Já  incluía várias linhas teológicas, das quais uma das mais fortes foi o gnosticismo. Em    Alexandria se desenvolveu mui cedo a famosa escola catequética em que teve entre seus   professores Clemente e Orígenes. Já neste período traduções de porções das Escrituras     foram feitas em línguas indígenas dando condições para o desenvolvimento da Igreja  Copta.

A costa do norte da África o cristianismo se alastrou cedo especialmente nas regiões da  Líbia, Tunísia, e Algeria. O progresso do cristianismo nesta região parece ter sido muito  rápido, especialmente no III século. É de aqui que surgiu Tertuliano, Cipriano e, mais  tarde, Agostinho. A igreja parece ter sido mais forte nas cidades e entre a população que falava latim.

Expansão no Império Romano Europeu

Na Itália. O evangelho chegou a Roma antes de Paulo, mas talvez não muito antes da   agitação que resultou na expulsão dos judeus sob Cláudio (41-54) por causa dum certo  "Chrestus. Cf. At:18:1-3. Até 250 a igreja em Roma cresceu sobremaneira. Uns calculam    30.000 membros; outros acham que foram muito mais. Até meados do III século na Itália   havia cerca de 100 bispos. Com a expansão rápida do cristianismo que ocorreu nas últimas  décadas daquele século, calcula-se que quase toda a cidade no centro-sul e na Sicília tinham  um núcleo de cristãos. A penetração do norte da Itália foi bem mais lenta e veio da Dalmacia e    regiões ao leste.

A Espanha, embora romanizada antes da África, foi muito mais lenta em receber o    Evangelho. Cedo no III século o cristianismo parece firmemente estabelecido no sul, nas    cidades costeiras.

Avanço do Cristianismo ao Leste A-lém dos Limites do Império Ro-mano

A tradição indica que Tomé foi aos Partos e a Índia; Mateus a Etiópia; Bartolomeu a  Índia e André aos citos.

Edessa estava localizada nas grandes rotas comerciais que corriam entre as montanhas   da Armênia ao norte e os desertos da Síria ao sul. Até o fim do II século estava fora do   império romano e dentro da esfera da influência dos Partos. A sucessão de bispos   remonta a fins do II século. Embora centro de cultura grega, o cristianismo de Edessa   era siríaco. No início do III século poucas cidades continham mais crentes que Edessa. Até o fim do século parece que ela estava predominantemente cristã. Edessa parece ter    sido o ponto donde o evangelho penetrou mais na Mesopotâmia e até os limites da  Pérsia.

As antigas religiões da Babilônia e da Assíria estavam em desintegração e não ofereceram muita oposição ao cristianismo. A oposição surgiu principalmente do   zoroastrismo que mais tarde se tornou a religião do Estado persa (meados do III século).

Os primeiros convertidos aparecem cerca de 100 a.D. Até o fim do primeiro quartel do III século havia mais de 20 dioceses na Mesopotâmia.

No leste o cristianismo não só não teve os mesmos êxitos que conseguiu no império, como também eventualmente quase desapareceu. Isto possivelmente se deva a três   razões: A política religiosa dos Sassanidas (dinastia persa) que favoreceu o zoroastrismo.

A forte hierarquia de este com o apoio da monarquia levantou uma forte resistência ao  cristianismo. Também o próprio êxito do cristianismo no império, após sua adoção por    Constantino, o tornou a religião do inimigo principal dos persas. E por último, a forma    herética em que o cristianismo foi pregado.

 

Pr. Adelcio Ferreira

Imprimir

Enviar comentário

voltar para Estudos Bíblicos

left show fwR|left tsN uppercase fwB|left show fwB fsN uppercase|bnull|||news login fwB tsN fwR tsY c05|c15 fsN normalcase fwB|b01 c05 bsd|login news c10|tsN normalcase fwR fsI c15 b01 bsd|signup b01 normalcase bsd c05|content-inner|left show fwR|news fl login fwB tsN fwR tsY c05