RABI / RABONI / MESTRE. HISTORIA NOS TEMPOS DE JESUS.

A palavra Rabi, ou RABONI, significa mestre.

Na educação clássica judaica existia um ritual para se tornar um Rabi. Dos 6 aos 12 anos os meninos israelitas eram ensinados a decorar todo o pentateuco (os cinco primeiros livros de Moisés).

E aos 12 anos eles eram avaliados pelos mestres e doutores da lei sobre o seu conhecimento. Por isso que Jesus foi grandemente interrogado quando criança e estava "perdido" em Jerusalém. Provavelmente ele estava entre as crianças mais notáveis de Israel, e os doutores devem ter até brigado para telo com seu aprendiz. (Lucas 2:41-49). Depois de avaliado, caso ele tenha sido aprovado, ele era "liberado" para estudar e decorar os textos dos profetas (demais livros do Antigo testamento), e aos 18 anos era novamente avaliado por um Rabi que decidia se ele deveria segui-lo ou não. Depois de ser aprovado por um Rabi ele então ficava com ele até os 30 anos, quando começava então a explicar a sua própria doutrina. Jesus passou por todas estas fazes e por isso era considerado Rabi. Ele teve um ministério de 3 anos e meio, que corresponde ao tempo que ele tentava levar as pessoas ao conhecimento da sua doutrina.

Quando um Rabi chegava na cidade era como se fosse um "popstar", alguém muito famoso, pois pouquíssimas pessoas chegavam ao "status" de Rabi. Comparando com hoje é com se você se encontrasse com Ronaldinho, ou um outro jogador famoso mundialmente.

Pessoas abriam as portas da casa para ouvir as palavras do Rabi, e multidões o seguiam. era uma honra para as pessoas, presentear e dar alimento ao Rabi e a seus discípulos.

Os fariseus, como uns dos principais da sociedade, convidavam os Rabis para comerem em suas casas. Lá eles davam ao Rabi o melhor lugar na mesa, o melhor prato, e a melhor porção de comida. Rabis (como os famosos hoje em dia) eram muito ricos, e bem aceitos na sociedade.

Mas Jesus era diferente. Ele era um Rabi que comia não com os principais da sociedade, mas com os pobres e pecadores. Ele não ia à frente da multidão, mas se juntava a ela e dava oportunidade aos que foram rejeitados por outros Rabis, e até a mulheres e crianças. A doutrina de Jesus era bem diferente e milhares o seguiam para onde fosse.

Por isso muitos sentiram inveja de Jesus, e procuraram sua morte. (Marcos 15:10)

Mas nem a morte poderia deter aquele era a própria vida.

João 17:3 "Esta é a vida eterna: que te conheçam, o único Deus verdadeiro, e a jesus Cristo, a quem enviaste."

http://sopzak.blogspot.com

Enviar comentário

voltar para Palavra Pastoral

left show fwR|left tsN uppercase fwB|left show fwB fsN uppercase|bnull|||news login fwB tsN fwR tsY c05|normalcase fwR c15 fsI|b01 c05 bsd|login news c10|tsN normalcase fwR fsI c15 b01 bsd|signup b01 normalcase bsd c05|content-inner|left show fwR|news fl login fwB tsN fwR tsY c05