Curso teologia

Matrículas abertas

Faça seu cadastro

Cadastre-se

 

EM NATÉRCIA - MG

UM TRABALHO DA IGREJA BATISTA DA PROVISÃO.

O PROJETO: Uma história que começou as 03:30 da madrugada de terça feira dia 31-03-2015

Escola teológica Simão Cirineu.

Quem era esta tal Simão de Cirene.Um pouco da historia deste homem segue abaixo. O nome surge por ser Simão um personagem que teve sua vida transformada pelo Cristo das escrituras.Cremos que o Espirito de Deus nos deu este nome para fundar a escola teológica. Baseada na pessoa e obra de Jesus Cristo e no encontro que teve Simão o Cirineu com seu salvador.

Simão Cirineu - Mudança através da cruz

Cirene, a cidade de Simão

Era uma província localizada na região norte da África do Norte e teve fundação pelos gregos em 630 antes de Cristo. Cirene era uma das 5 maiores cidades gregas, além de ser a mais antiga e mais importante de todas. Cirene foi dada ao domínio romano cerca de 96 antes de Cristo pelo seu governante Ptolemeu que tinha medo de uma invasão e possível destruição da cidade. Somente 10 anos depois o domínio romano era reconhecido na cidade.

Cirene e os Judeus

Os judeus em Cirene tinham os mesmos direitos da população nativa da região. Havia um certo prestígio por parte dos judeus no templo pela presença dos cireneus, por virem de uma região tão vasta e importante para o império romano na época. A população judaica dessa província era tão significativa, que Jerusalém tinha orgulho de ter uma sinagoga dos libertos para os visitantes de Cirene e para outros estados livres (Atos-6:9). Hoje é a Etiópia, então Simão era um africano que em hebraico é chamado de Shuaz, que significa negro. Eles tinham até uma sinagoga própria como está escrito em Atos 6:9: "...Da sinagoga chamada dos libertinos, e dos cireneus e dos alexandrinos..."

Essa cidade ou este território antes de ser uma colônia grega era um reino chamado Sabá, e tinha uma rainha chamada e conhecida por “Rainha de Sabá”, que a muitos anos atrás teria vindo visitar e conhecer o famoso rei e tido com ele um relacionamento profundo (I Reis 10). Os historiadores Judeus acreditam que Simão era descendente desse relacionamento e a prova de que ele era um judeu é o seu nome, Shimom, que era também o nome do segundo filho de Jacó, uma das tribos de Israel. Sim, este homem era um judeu negro! Ele era um monoteísta, ele acreditava em um único e verdadeiro Deus que reinava sobre toda a terra.

Porque Simão estava em Jerusalém?

A distância entre Cirene e a cidade santa de Jerusalém era de cerca de 1.600KM de distância. O que fez Simão viajar numa época que uma viagem desta levaria meses? Simples resposta! Na tradição judaica, o judeu tinha que pelo menos uma vez na vida peregrinar até Jerusalém e participar de uma das três festas sagradas:

Festa dos tabernáculos / Festa da páscoa / Festa do Pentecoste

Simão estava em Jerusalém para celebrar a páscoa. Se você perceber, Jesus comemora a páscoa com os discípulos na noite passada.

Como era a cerimônia da páscoa?

Ela era comemorada no dia 14 de Abibe (Março-Abril no calendário atual) no templo de Jerusalém. O seguinte ritual era feito: Homens vestidos de linho branco e com cordeiros puros se dirigiam ao templo.

Eram examinados para ver se a veste e o cordeiro estavam sem manchas, só assim entravam no templo. O sacerdote cortava a jugular (Veia do pescoço) e pegando o cordeiro pelas patas, rodava 7 vezes no altar espalhando todo o sangue. Após isto, pegava uma planta chamada Hissopo, que era esponjosa e retinha muito líquido. Ela é citada em Salmos 51:7.

Com esta planta encharcada, o sangue era jogado sobre os homens ao redor para que cada um pelo menos tivesse uma gota do sangue do cordeiro em sua veste branca, representando o perdão pelos pecados. Isto representava uma honra! Era como ganhar um prêmio. Tanto que eles viajavam de tão longe, se sujeitando a viagens longas, cansativas e perigosas para realizar este ato sagrado na sua cultura.

A chegada de Simão.

Após esta viagem, Simão chega a Jerusalém e se prepara para o momento tão esperado do sacrifício do cordeiro no templo! Ele entra pela porta de Damasco e já se prepara para o ritual. Troca sua roupa suja de viagem por uma veste de linho puro e sem manchas. Deveria estar muito feliz, pois era um momento único em sua vida. Ele se dirige em direção ao templo, mas ao dobrar uma esquina ele se depara com uma aglomeração que ocupava todo o caminho. Como ele iria chegar ao templo? Teria de esperar a multidão passar. Simão aproveitou e se aproximou para ver o que estava acontecendo.

Simão se encontra com Jesus.

Ele descobre que um condenado estava sendo castigado e obrigado a carregar uma cruz pelos seus pecados. Este carregava uma placa escrito:

Yeshua et Nazareth melec Yudim”, ou seja, “Jesus de Nazaré rei dos judeus”."

Em hebraico, latim e grego para que todos entendessem. Ele, Simão deveria estar assustado com a cena, não devia ter presenciado algo tão cruel em toda sua vida. Provavelmente tentou de todas as formas se esquivar da multidão que vinha em sua direção mas ao chegar perto de Simão, o condenado não aguenta e cai no chão, misturando suas vestes ensanguentadas com o pó da terra seca de Jerusalém.

Naquele momento Jesus não aguentou mais carregar a pesada cruz. Seu corpo estava debilitado, rasgado, infeccionado e dolorido. Estudiosos dizem que a dor de Jesus era tão grande que ele não sentia mais seu corpo, pois o mesmo não conseguia produzir as substâncias necessárias para produzir a sensação da dor.

Um soldado romano intima Simão a carregar a cruz com Jesus. Conhecendo o tratamento romano que era dado ao seu povo em Cirene, Simão não demorou muito e logo fez o que foi ordenado. Entenda a situação: Simão viajou 1.600 KM, ficou meses no deserto, passou por diversas tempestades, altas temperaturas para viver o momento mais esperando da vida dele, e de repente percebe que o rumo dela mudou drasticamente e estava ameaçado de não acontecer. Simão teve que ajudar Jesus a carregar a cruz. Teve sua bela roupa de linho branco ensanguentada pelo sangue de um condenado. Imagine como ele sentiu fúria! Ficaríamos de certa forma revoltados pois um momento único da nossa vida poderia estar sendo arruinado. Sendo que o sacrifício da páscoa era só feito uma vez durante o ano. Simão teria que voltar os 1.600 KM e encarar sua família dizendo que não tinha feito a maior honraria de um Judeu.

Em meio aquele momento de tormento e raiva, aonde teria que carregar uma cruz e perder o seu maior sonho Simão encontra o verdadeiro cordeiro de Deus, que iria mudar o destino da sua vida. Simão fica constrangido ao ver o olhar ferido mas tão meigo e puro de Jesus. Ele encara Jesus face a face e sente que aquele não era um condenado, mas sim um inocente, aquele era o rei dos Judeus! O grande sonho de Simão era concretizado de outra forma. Como Paulo disse em Gálatas 2:20: Fui crucificado com Cristo. Assim, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim. A vida que agora vivo no corpo, vivo-a pela fé no filho de Deus, que me amou e se entregou por mim.

O pecado é responsável por cegar o ser humano e o tornar ignorante ou indiferente com a verdade pura de Deus. Existem 2 tipos de pecadores: Os pecadores cegos pelas suas opiniões e os cegos pela religião. O judaísmo estava fracassado. Seus sacerdotes corrompidos e indiferente com os problemas e necessidades do povo. Como Jesus disse: "Este povo se aproxima de mim com a sua boca e me honra com os seus lábios, mas o seu coração está longe de mim.Mt15.8".

O templo era um local de comércio, onde vimos Jesus demonstrar sua revolta com o que era feito lá. O judaísmo estava separando as pessoas de Deus cada vez mais, pois somente os puros podiam aproximar-se. Isto criava um fardo muito grande para as pessoas carregarem.

E Simão era um pecador do tipo, um religioso como os demais.

Simão estava sendo guiado pela sua religião. Jesus vem e muda tudo isto ao se sacrificar pelos pecados de todos! Simão seguia a sua religião mas ao encontrar Cristo tem uma nova visão! Diferentemente do judaísmo, aonde era necessário se ter vestes brancas para ser purificado, Jesus vem e lava com seu sangue as vestes sujas e manchadas pelo pecado. Como ele disse: "Eu vim para os doentes e não para os sadios".Imagine agora Simão deixando o cordeiro de Deus à beira da crucificação. Simão olha para o céu e vê que pela a posição do sol já havia passado o tempo para realizar o sacrifício, além disto, sua veste estava toda ensanguentada. Deve ter saído pela cidade perguntando para as pessoas:

"Quem era aquele homem? Ele era o rei dos judeus?"

E alguém deve ter respondido dos milagres e maravilhas que ele fez, porque muitos que acreditavam em Jesus acompanharam sua crucificação. Ele sai de Jerusalém e vai completamente atordoado com a cena que nunca mais sairia da sua cabeça. Um homem inocente, puro, meigo e rei dos Judeus era crucificado sem merecer. Imagino que ele deve ter sentindo os tremores, o tempo se fechar e o grande alvoroço por que o véu do templo estava rasgado, mas depois disto nada mais lhe importava a não ser regressar aos braços de sua família.

De volta para casa

Uma longa jornada de volta teria que ser feita pelo judeu negro, mas agora ele carrega dentro de seu coração a imagem da face machucada de um homem que era inocente, e dentro de sua bagagem vai uma roupa de linho branco encharcada de sangue. Quando Simão chegar em casa, seus filhos, sua família, seus amigos, querem ver o troféu, então Simão irá tirar a veste de linho e lhes contar a história de Yeshua , e todos choram juntos e se convertem ao nome que está acima de todos os nomes. E talvez você pergunte como cheguei a esta conclusão, é só lermos o escrito de em Romanos 16:13. Mais tarde encontramos o Apóstolo Paulo se referindo a um grande missionário da região de Corinto, na cidade Cencréia, que na verdade era um porto de Corinto. Segundo historiadores este Rufo tinha um irmão também muito fervoroso e fiel a palavra, e seu nome era Alexandre, ambos os filhos de Simão.

A bíblia não relata diretamente a conversão de toda família de Simão cireneu, mas se você ver na carta aos Romanos 16:13:

"Saudai a Rufo, eleito no Senhor, e a sua mãe e minha."

Em Marcos 15:21 é relatado que Simão era pai de Alexandre e Rufo:

"Certo homem de Cirene, chamado Simão, pai de Alexandre e de Rufo"

Simão foi o que mais de perto acompanhou a salvação da humanidade. Ele fez parte disto, ele ajudou o mestre neste momento. Foi impactado e transformado por isto. Analisando, podemos dizer que a família de Simão Cireneu foi uma das primeiras evangelizadas após a crucificação de Cristo, tanto que Rufo (Filho de Simão) foi rejeitado pelo sinédrio cireneu (Rufo que foi um jovem rejeitado pelo Sinédrio da época, após seu pai contar todo o ocorrido, como este conhecia um pouco a Torá dos Judeus, ele identifica que o homem que seu pai ajudou a carregar a cruz, era o Messias; Fonte wikipedia) por reconhecer que o homem que seu pai ajudou a carregar a cruz era o Rei dos judeus.

Deus nos abençoe nesta grande obra.

 

left show fwR|left tsN uppercase fwB|left show fwB fsN uppercase|bnull|||news login fwB tsN fwR tsY c05|normalcase fwR c15 fsI|b01 c05 bsd|login news c10|tsN normalcase fwR fsI c15 b01 bsd|signup b01 normalcase bsd c05|content-inner|left show fwR|news fl login fwB tsN fwR tsY c05